Atividade na casa espírita: espiritizar, qualificar, humanizar

Atividade na casa espírita: espiritizar, qualificar, humanizar

Em um trabalho de grave importância para o movimento espírita, Divaldo Franco, faz uma profunda análise do que deve ser a base de trabalho de uma instituição espírita. Esclarece-nos, por exemplo, sobre o aspecto religioso do Espiritismo e a necessidade de restauração das suas bases primordiais. Alerta para o trabalho, engendrado por Kardec, de codificação de elementos sociológicos, psicológicos e da ciência. Relembra a Sociedade Espírita de Broteaux, o primeiro Centro espírita fora de Paris.

Divaldo alerta-nos ainda sobre a perda da qualidade dos Centros Espíritas e a necessidade dos estudos. Diz-nos que “O VERDADEIRO CENTRO ESPÍRITA É AQUELE NO QUAL PREVALECE A DOUTRINA ESPÍRITA E NÃO A OPINIÃO DOS GUIAS ESPIRITUAIS.[…] NÃO É O FATO DO GUIA ESPIRITUAL TRAZER UMA IDEIA QUE ELA DEVE SER ACEITA”.

A palestra é encerrada com uma inesperada e belíssima mensagem da Benfeitora Espiritual Joanna de Ângelis

LOCAL
Ponta Grossa (PR)

DATA:
24/03/2000

Gêneros / Coleções: Acervo Histórico

Leave Review